Copyright © 2017 Maria Vilhena

O Blog da
Maria Vilhena

DIY

28/03/2017

Poucas são as casas que são decoradas a pensar em pessoas com mobilidade reduzida, devendo ser adaptadas para que a equidade seja implementada, facilitando a vida de quem tem incapacidade física e, consequentemente, tornando-a menos dolorosa e castradora a nível psicológico. Mais importante ainda é que o espaço onde habitam e, naturalmente, onde se devem sentir confortáveis, lhes proporcione autonomia.
Deixamos-lhe algumas dicas que achamos que lhe poderão ajudar, caso esteja a pensar adaptar a sua casa ou mesmo o seu escritório.
1. Pessoas que usem cadeira de rodas, andarilhos ou bengalas, têm dificuldade em deslocar-se-se em locais com pisos inclinados ou em espaços que possuam escadas. A primeira modificação estrutural a ser idealizada e desenvolvida é nivelar o piso e fazer rampas. Lembre-se de que a amplitude destas rampas deve ser calculada de forma minuciosa. Uma rampa apropriada nunca deve ter mais de 8% de inclinação.
É também importante que os tapetes sejam banidos da decoração e que o piso seja antiderrapante, para evitar possíveis acidentes.
2. Corredores e portas largas (90cm mínimo), são o ideal. Se possível, e caso as pessoas que habituam e usufruem deste espaço utilizem cadeira de rodas para se movimentar, desça os peitoris das janelas para 70 cm de altura. Tenha, no entanto, especial atenção caso haja idosos e/ou crianças no mesmo espaço.
3. As portas e as janelas devem possuir maçanetas e puxadores especiais. Quanto às portas, é também aconselhável que estas possuam uma proteção metálica, reforçando assim a sua parte interior e aumentando a sua vida útil, já que, naturalmente, as colisões da cadeira com as portas são recorrentes.
4. Dê preferência a móveis com cantos arredondados, evitando assim possíveis ferimentos. Os armários devem ter um design especial e adaptado, pensado para as suas necessidades, para que assim possam alcançar com facilidade a roupa e o calçado. O ideal é também optar por móveis com portas de correr, pois ocupam menos espaço e são mais práticos.

5. As tomadas e os interruptores de luz devem ser colocados a uma altura adequada e de fácil alcance, sendo idealmente acionados por comandos portáteis, botões ou através de pressão ou alavanca (dependendo sempre das necessidades de cada pessoa).

6. Na casa de banho, os cuidados devem ser redobrados, já que os perigos são maiores. Além do piso antiderrapante, devem ser colocadas barras de apoio com dimensões e resistência adequadas ao utilizador e às suas particularidades.

7. Na cozinha, um bom projeto deve garantir a circulação segura. As pias devem possuir altura de um máximo de 85 cm, com uma altura livre de, no mínimo, 73cm. A bancada, onde idealmente estará o fogão – elétrico, de preferência – deve encontrar-se no centro deste espaço, conferindo melhor mobilidade.

Naturalmente que um projeto destes pode representar um investimento muito grande. Apesar da sua necessidade emergente, não é fácil de executar. No entanto, há mudanças que se podem ir fazendo aos poucos, de forma a garantir a sua segurança e aumentar a sua autonomia e qualidade de vida.